Websites de Julian de Norwich, Revelação e seus Contextos , Folhas de Oliveira , Julia Bolton Holloway , 1997/2017
 


CHEFE DAN GEORGE

O MEU CORAÇÃO VOA ÀS ALTURAS


{ Este ensaio vem juntar-se a outros no website Folhas de Oliveira acerca de povos indígenas , em todos os Continentes, que possuem uma sabedoria e uma legitimidade que nós, como conquistadores culturalmente-deslocados, temos necessidade de negar. E essa negação torna-se uma doença para eles e para nós. Abuso étnico, criminalidade étnica. São bem vindos mais ensaios deste tipo. Bárbara Stanton, uma Amiga de Deus, do Alasca, mandou-nos este livro para a Biblioteca Fioretta Mazzei e, nesse mesmo dia, um casal canadiano que visitou o cemitério e a biblioteca, conheceu pessoalmente e trabalhou com o Chefe Dan George, há um quarto de século. Este livro foi publicado por Saanichton, British Columbia: Hancock House Publishers, 1979. Merece voltar a ser publicado e estar em todas as bibliotecas das escolas. Foi coincidência este livro ter vindo até Florença e no dia seguinte, igualmente, amigos ao vivo do Chefe Dan George, terem entrado na biblioteca onde ele veio parar? É antes um sinal! Seguidamente irá ser traduzido em Português a fim de que possa ser lido lá, em Angola e no Brasil.

As palavras de Bárbara no livro: 'Para a Júlia,  - espero que as pessoas que o lerem aprendam sobre o nosso povo Nativo da América - Bárbara.


A Memória do Meu Povo
Alcança o
Começo de Todas as Coisas

Chefe Dan George


OBRIGADO:

AO MEU PAI
    Porque me deu engenho, vigor
    e o conhecimento do meu passado.

À MINHA MÃE
    Porque me deu o amor pela vida
    e ensinou-me a respeitá-la.

À MINHA MULHER
    Porque partilhou comigo o fardo
    quando ele ameaçou tornar-me o passo lento
    e ficou a meu lado
    quando viajámos com alegria.

AOS MEUS FILHOS
E AOS FILHOS DELES
    Porque nos seus olhos
    me vi a mim próprio.

ISTO É BOM!


Minha mãe era duma bondade
que abraçava a vida inteira.
Sentia-se bem dando
tudo quanto tinha.

É esta a tradição
das mulheres nativas.


Os jovens
são os pioneiros
de novos caminhos.
Uma vez que enfrentam
demasiadas tentações
não será fácil
saber o que é melhor.


Palavras a um Neto

Talvez haja um dia
em que te queiras sentar ao meu lado
pedindo conselho.
Espero lá estar
mas, bem vês,
estou a ficar velho.
Não existe a promessa
de que a vida
cumprirá as nossas esperanças,
especialmente as esperanças dos velhos.
Portanto, escrevo daquilo que sei
e um dia os nossos corações
se encontrarão nestas palavras
- se deixares que isso aconteça.

No seio dum país
sem silêncio
cada um tem de arranjar o seu lugar.
Aqueles que gastaram
muitas vezes os sapatos,
sabem onde pôr os pés.
Não são os sapatos deles
que podemos usar,
apenas as suas pegadas
podemos seguir,
- se deixares que isso aconteça.

Vens duma raça envergonhada.
Nossos são os hábitos do silêncio.
Sempre fizemos todas as coisas
duma forma suave,
tal como o ribeiro
que evita a rocha dura
na sua busca do mar
e se encontra com o veado ao passar.
Também tu deves seguir o caminho
da tua própria raça.
É seguro e profundo,
sólido e duradouro.
És tu
- se deixares que isso aconteça.

És uma pessoa de pouco meios,
mas é melhor ter pouco
do que é bom,
que possuir muito
do que não é bom.
Isto, o teu coração há-de sabê-lo,
- se deixares que isso aconteça.

Presta atenção aos dias
em que a chuva corre à vontade,
na sua cor cinzenta
está a semente de muita reflexão.
O céu debruçado cá em baixo
pinta novas cores
na terra.

Depois da chuva
a erva despirá o orvalho,
o nevoeiro levantar-se-á das árvores,
uma nova luz dará brilho ao céu
e brincará nos pingos
dependurados por toda a parte.
O teu coração baterá com força
uma alegria nova
- se deixares que isso aconteça.

Cada dia traz uma hora mágica.
Escuta-a!
As coisas murmurarão os seus segredos.
Saberás
o que enche as ervas de bondade,
o que faz os dias mudarem-se em noites,
o que move as estrelas
e provoca a mudança das estações.
Quando acabares por conhecer
alguns dos sábios modos da natureza
cuidado com a tua complacência,
porque não podes ser mais sábio que a natureza.
Podes apenas ser tão sábio quanto ela
como qualquer homem há-de sempre esperar sê-lo,
- se deixares que isso aconteça.

Os nossos caminhos são bons
mas apenas no nosso mundo.
Se gostas da chama
na torcida do homem branco,
aprende as suas maneiras
para poderes suportar-lhe a companhia,
no entanto, quando entrares no mundo dele,
caminharás como um estranho.

Por algum tempo
a desorientação,
como um espírito mau,
te atormentará.
Então, descansa sobre a terra santa
e espera pelo bom espírito.
Ele regressará com novas caminhos
como dom seu para ti,
- se deixares que isso aconteça.

Serve-te da herança do silêncio
para observares os outros.
Se a cobiça tomou o lugar da bondade
nos olhos de um homem,
vê-te a ti nele
e então aprenderás a compreender
e a proteger-te a ti próprio.
Não desprezes o fraco,
é a compaixão
que te fará forte.

Não te cai
o arroz na cesta
enquanto a tua respiração
arrasta para longe a palha?
Em tudo existe algo de bom
- se deixares que isso aconteça.

Quando as tempestades nos cercam
e os olhos não conseguem encontrar o horizonte
podes perder muito.
Permanece com o teu amor pela vida
porque ele é o próprio sangue
a correr-te nas veias.
À medida que atravessas os anos
encontrarás muita serenidade
no teu coração.
É o dom da idade.
E as cores do Outono
serão profundas e ricas,
- se deixares que isso aconteça.

Ao ver para além dos dias de agora
Alcanço uma visão:
Vejo os rostos do meu povo,
os filhos dos teus filhos,
as filhas das tuas filhas,
risos enchem o ar
que não mais é amarelo e pesado,
as máquinas morreram,
sossego e beleza
voltaram à terra.
Os modos suaves da nossa raça
puseram-nos de novo
nos dias dos antigos.
É bom viver!
É bom morrer!
- Isto acontecerá.



 

De todos os ensinamentos que recebemos
este é o mais importante:

Nada te pertence
daquilo que existe,

do que tomas para ti,
tens de partilhar.


Toca numa criança - elas são o meu povo.


A luz do sol não deixa marcas na erva.
Assim nós, também, passamos silenciosos.


Os rostos do passado são como folhas que assentam no chão . . .
Tornam a terra rica e espessa, para que novos frutos surjam em cada Verão.


Não mais te posso dar uma mão cheia de bagas de presente,
não mais as raízes que cavo são usadas como um remédio,
não mais posso cantar uma canção para agradar ao salmão ,
não mais o cachimbo que fumo faz que outros se sentem comigo na amizade,
não mais alguém a querer ir comigo à montanha azul para rezar,
não mais o veado confia nas minhas pegadas . . .


Se falares com os animais, eles falarão contigo
e conhecer-vos-eis mutuamente.

Se não falares com eles, não os conhecerás,
e do que não conheces terás medo.

O que tememos destruímo-lo.


Ó terra,
pela força
no meu coração,
Eu Te agradeço.

Ó nuvem,
pelo sangue
no meu corpo,
Eu Te agradeço.

Ó fogo,
pelo brilho
nos meus olhos,
Eu Te agradeço.

Ó sol,
pela vida
que me deste,
Eu Te agradeço.


Sou um nativo da América do Norte.

No decurso da minha vida vivi em duas culturas distintas. Nasci numa cultura que vivia em casas comunitárias. A casa do meu avô tinha oitenta pés de comprimento. Tinha o nome de casa do fumo e ficava em baixo, junto à praia, ao longo da enseada. Todos os filhos do meu avô e as suas famílias viveram nesta grande habitação. Os dormitórios eram separados por cobertores feitos de caniços de junco, mas uma fogueira aberta no meio servia as necessidades de cozinha de todos.  Em casas deste género, através da tribo, as pessoas aprendiam a viver umas com as outras; aprendiam a servirem-se umas às outras; aprendiam a respeitar os direitos umas das outras. E as crianças partilhavam os pensamentos do mundo do adulto e estavam rodeadas de tias e tios, e primos que as amavam e não as ameaçavam. O meu pai nasceu numa casa destas e aprendeu desde a infância a amar as pessoas e a estar à vontade com elas.

E, para além desta mútua aceitação, havia um profundo respeito por todas as coisas da natureza que os rodeava. O meu pai amava a terra e todas as suas criaturas. A terra era a sua segunda mãe. A terra e tudo o que ela contém era um dom de See-see-am  . . .  e a forma de agradecer a este grande espírito era servir-se dos seus dons com respeito.

Lembro-me quando era rapazinho de ir pescar com ele, rio Indiana acima, e ainda sou capaz de o ver quando o sol se levantava por cima do alto da montanha, de manhã cedo . . . ainda sou capaz de o ver de pé à beira de água, com os braços erguidos acima da cabeça, enquanto suavemente gemia . . . 'Obrigado, obrigado'. Isto deixou uma marca profunda no meu jovem espírito.

E nunca esquecerei o seu desapontamento quando me apanhou uma vez a arpoar peixe só para me divertir. 'Meu Filho' disse ele, 'O Grande Espírito deu-te esses peixes como irmãos, para te alimentarem quando tens fome. Tens de os respeitar. Não podes matá-los só porque é divertido'.

Esta foi, pois, a cultura na qual nasci e durante alguns anos a única que realmente conheci ou saboreei. Eis a razão pela qual sinto que me é difícil aceitar muitas das coisas que vejo em meu redor.

Vejo pessoas que vivem em casas do fumo cem vezes maiores que aquela que conheci. Mas as pessoas de um apartamento nem sequer conhecem as pessoas do apartamento ao lado, muito menos se importam com elas.

Foi-me  também difícil compreender o profundo ódio que existe entre as pessoas. É custoso entender uma cultura que justifica a morte de milhões de pessoas em guerras passadas e neste preciso momento está a preparar bombas para matar ainda um maior número. É-me difícil entender uma cultura que gasta mais em guerras e armas para matar do que gasta com a educação e a saúde, para ajudar e desenvolver.

É-me difícil entender uma cultura que não apenas odeia e luta contra os seus irmãos mas chega ao ponto de atacar a natureza e abusar dela. Vejo o meu irmão branco andando por aí a eliminar a natureza das suas cidades. Vejo-o despir os montes por completo, deixando feridas horrorosas na face das montanhas. Vejo-o a arrancar coisas do seio da mãe terra como se ela fosse um monstro que recusasse partilhar com ele os seus tesouros. Vejo-o atirar veneno para as águas, indiferente à vida que ali mata; e sufoca o ar com fumos mortíferos.

O meu irmão branco faz muitas coisas bem feitas porque é mais esperto que o meu povo, mas pergunto-me se ele sabe amar bem. Pergunto-me se alguma vez aprendeu realmente a amar. Talvez que ame apenas as coisas que são dele mas nunca tenha aprendido a amar as coisas que estão fora e para além dele. E isto, obviamente, não é de todo amar, porque o homem tem de amar toda a criação ou então nada amará dela. O homem tem de amar por inteiro senão torna-se o mais baixo dos animais. É o poder do amor que o torna o maior de todos eles . . . porque apenas ele, de entre todos os animais, é capaz de amar.

O amor é algo que tu e eu temos de ter. Temos de o ter porque o nosso espírito alimenta-se dele. Temos de o ter porque sem ele ficamos fracos e débeis. Sem amor a nossa auto-estima enfraquece. Sem ele a coragem falha-nos. Sem amor não conseguimos olhar o mundo com confiança. Em vez disso, voltamo-nos para dentro e começamos a alimentar-nos das nossas próprias personalidades e, pouco a pouco, destruímo-nos a nós mesmos.

Tu e eu precisamos da força e da alegria que vem de sabermos que somos amados. Com isso somos criativos. Com isso caminhamos sem cansaço. Com isso, e só com isso, somos capazes de sacrifício pelos outros.

Houve alturas em que todos nós desejámos tão desesperadamente sentir uma mão securisante sobre nós ... houve alturas de solidão em que desejámos tanto um braço forte a envolver-nos . . . Não consigo dizer-vos quantas saudades tenho da presença da minha mulher quando regresso duma viagem. O amor dela foi a minha maior alegria, a minha força, a maior das minhas benções.

Receio que a minha cultura tenha pouco a oferecer à vossa. Mas a minha cultura apreciou a amizade e o companheirismo. Não encarou a privacidade como coisa a que tenhamos de estar agarrados, porque a privacidade ergue muros e muros para lançar a desconfiança. A minha cultura vive em grandes comunidades de família e, desde a infância, as pessoas aprendem a viver com os outros.

A minha cultura não apreciou a acumulação da posse privada; na verdade, acumular era fazer algo de vergonhoso entre o meu povo. O Índio encarava todas as coisas da natureza como suas e esperava poder partilha-las com os outros tirando apenas o que precisava.

Todos gostamos de dar e de receber. Ninguém deseja apenas receber sempre. Foi muito o que retirámos da vossa cultura . . . Desejava que tivésseis retirado alguma coisa da nossa . . . porque havia nela algumas coisas boas e belas.

Rapidamente se tornará demasiado tarde para conhecer a minha cultura, porque a integração pesa sobre nós e em pouco tempo não teremos outros valores senão os vossos. Já muitos dos nossos jovens esqueceram os velhos costumes. E muitos foram envergonhados pelos seus costumes Índios, pela troça e pelo ridículo. A minha cultura é como um veado ferido que se arrastou fugindo para a floresta para sangrar e morrer sozinho.

A única coisa que nos pode verdadeiramente ajudar é o amor genuíno. Têm de nos amar de verdade, têm de ser pacientes connosco e partilharem connosco. E nós temos de vos amar - com um amor genuíno que perdoa e esquece . . . um amor que perdoa os terríveis sofrimentos que a vossa cultura trouxe à nossa quando nos varreu como uma onda que se despenha ao longo da praia . . . com um amor que esquece e levanta a cabeça, e vê nos vossos olhos um amor que responde, feito de confiança e de aceitação.

É isto ser irmão . . . algo menos que isto não é digno do nome.

Tenho dito.


Dizem que não mostramos os nossos sentimentos.
Não é verdade.

Tudo está cá dentro,
onde o coração martela a riqueza das nossas emoções.

O rosto apenas fala
a língua dos anos que passam.


Conduz um carro, vê televisão,
e os teus dedos terão dificuldade
em recordar a sua destreza.


Mais rápido soa o tambor
quando os espíritos se aproximam

abana a matraca
e nós dançamos.


A muitos portos naveguei na minha canoa,
muitas vezes contra ventos fortes.

Escolhe bem a árvore meu irmão,
se queres que te conduza a portos longínquos.


Quando um homem faz
o que é necessário que se faça,
desconhece
o significado do tempo.


Durante muitas horas me sentei
nos degraus da soleira da minha casa,
e enquanto me encostava
saboreei a natureza
e senti-lhe o latejar da vida.
Mas, os estranhos que passavam
achavam que era preguiçoso.

Todos nós deambulamos pela vida
unidos pelo laço da criação
e tornamo-nos irmãos
através da gratidão.
Temos muito por que estar agradecidos.
Que cada um
fale com o Ser Supremo
à sua maneira.

Um homem que não é capaz de dar graças
pela comida que come
caminha sem as benções da natureza.

Houve tempos em que as pessoas sabiam viver em harmonia,
agora o silêncio da natureza
chega a poucos.

Há muitos que olham,
mas apenas alguns que vêem.

A terra é santa, os pés que caminham  sobre ela, abençoados.

Se as lendas caem no silêncio,
quem ensinará às crianças
os nossos costumes?

Quando um homem se senta em sossego
para escutar os ensinamentos do seu espírito
muitas coisas virão a ele
de conhecimento e compreensão.
Temos tido a maior das sortes
por nunca termos precisado de comunicar
de outra maneira que não pelo pensamento e pela palavra.

Desta maneira, apenas, não mais será possível.

Diminuímos em número e pagámos
pelo passado em sofrimento e dor
e disso nenhuma geração de pessoas nativas
ficou sem a sua parte.
Sofremos muito, e agora encaramos o facto de tudo perder
a menos que preservemos tudo quanto tenha restado
dos dias dos nossos antepassados.

Para fazer isto, a palavra falada não chega.

Quando um pensamento se forma
precisa muito tempo para crescer.
O silêncio entre as palavras ditas
sempre foi o sinal da deliberação.
Nestes novos tempos do mundo moderno
em que tudo adquiriu um valor
o silêncio tornou-se tempo.
O tempo não utilizado tornou-se tempo perdido.
Dizem-nos: 'Tempo é dinheiro'.

É mais difícil encontrar alguém
que escute, mas toda a gente lê.
Portanto, temos de escrever sobre os nossos modos,
as nossas crenças, costumes, moral,
como olhamos para as coisas e porquê,
como vivíamos e como vivemos agora.

Para realizar isto, precisamos dos velhos e dos novos.

Depressa existirão muitos livros
que falarão dos nossos modos
e até talvez envergonhem aqueles
que pensam que somos inferiores
apenas porque somos diferentes.
Para os que acreditam no poder
da palavra escrita, estes livros
proclamarão o nosso valor cultural.
Assim foi feito para outras raças
e para os seus ensinamentos.
É deste modo que os nossos jovens
vos trarão a verdadeira imagem
do nosso povo nativo
e hão-de destruir a distorção
de que fomos vítimas
por tanto tempo.
Então, havemos de prosperar em tudo.
Das nossas crianças surgirão aqueles valentes,
que transportarão os fachos até aos lugares
onde descansam os nossos antepassados.
Aí inclinaremos as nossas cabeças
e cantaremos o cântico da sua veneração.
É assim que o vazio será preenchido
entre as antigos e as novas maneiras.


O jovem e o velho são quem está mais perto da vida.
Amam preciosamente cada minuto.


Se os muito velhos se lembrarem,
os muito jovens escutarão.


Guarda algumas brasas
do fogo
que costumava arder na tua aldeia,
regressa um dia
para que todos se possam reunir de novo
e reacende uma nova chama,
para uma nova vida num mundo que mudou.


Anda ao de leve,
segue as minhas pegadas
até nos encontrarmos de madrugada.

Levanta-te serenamente,
deixa que os teus lábios dêem louvores
ao novo sol.


Conheci-te
quando as tuas florestas eram minhas;
quando me davam a minha carne
e a roupa.
Conheci-te
nas tuas correntes
e rios
onde o teu peixe luzia
e dançava ao sol,
onde as águas diziam vem,
vem e come da minha abundância.
Conheci-te
na liberdade dos teus ventos.
E o meu espírito,
como os ventos,
em tempos vagueava nas tuas boas terras.

Por milhares de anos
Falei a linguagem da terra
e escutei as suas muitas vozes.
Tirei o que precisava
e dei conta que havia que chegasse para todos.
Os rios eram transparentes e engrossados de vida,
o ar era puro e dava espaço
ao bater de asas incontáveis.
Em terra, uma profusão de criaturas abundava.
Caminhava, alto e orgulhoso
conhecendo os recursos do meu povo,
sentindo as benções do Espírito Supremo.
Vivi irmanado com todos os seres.
Media o dia
pelo trajecto do sol ao longo do céu.
O passagem de ano era anunciada
pelo retorno do salmão
ou pelos pássaros acasalando para fazerem ninho.
Entre o primeiro fogo do acampamento e o último
de cada dia, ia em busca de comida,
fazia abrigos, roupa e armas,
e sempre encontrei tempo para rezar.

A sabedoria e eloquência do meu pai
passei-a aos meus filhos,
assim, também eles adquiriram fé,
coragem, generosidade, compreensão,
e conhecimento da maneira correcta de viver.
Tais são as memórias de ontem!
Hoje, a harmonia continua a viver na natureza,
embora tenhamos menos vida selvagem,
menos variedade de criaturas.
Cada vez menos pessoas conhecem a toca da puma
nos montes, nem seus olhos seguiram
o voo picado da águia, quando escreve infinitos
círculos no ar morno.

A beleza selvagem da linha costeira
e o sabor do nevoeiro marítimo permanecem escondidos
por trás das janelas dos carros que passam.
Quando a última pele de urso for tirada
e a última cabeça de carneiro for arranjada
e lhe puserem olhos de vidro,
neles poderemos encontrar o reflexo
das memórias de hoje.
Cuidado, ou bem depressa os nossos ouvidos terão de se esforçar
em vão par escutar a canção do criador.


Quando rezo,
rezo por tudo quanto é vivo.
Quando dou graças,
dou graças por todas as coisas.


Um homem que vive e morre na floresta
conhece a vida secreta das árvores.


Olhem para os rostos do meu povo:
Encontrareis expressões de amor e desespero,
esperança e alegria, tristeza e desejo, e todos os
sentimentos humanos que vivem nos corações das pessoas
de todas as cores. Porém, o coração nunca conhece
a cor da pele.


Depois dos ventos frios e gelados do Inverno, a vida
brota de novo do seio da
Mãe Terra. E a Mãe Terra atira fora
os ramos mortos e as hastes secas
porque não prestam.  Em lugar deles, novos e
fortes rebentos se erguem.


Já sinais de nova vida se erguem
entre o meu povo depois que o nosso triste Inverno
passou. Deitámos fora os nossos arcos
partidos e as aljavas vazias, porque sabemos
que o que nos serviu no passado jamais nos servirá de novo.


As pequenas coisas
são importantes,
porque são pequenas
vemo-las
mas não as entendemos.
 
 

Manuscrito da Catedral de Westminster, Julian acerca da Avelã

Folhas de oliveira italianas, abençoadas; avelã australiana

A Terra Vista do Espaço pela Primeira Vez


A beleza das árvores,
a brandura do ar,
a fragrância da erva,
  falam comigo.

O cume da montanha,
o trovão do céu,
o ritmo do mar,
  falam comigo.

As estrelas que se apagam,
a frescura da manhã,
a gota de orvalho na flor,
  falam comigo.

A força do fogo,
o sabor do salmão,
o rasto do sol,
e a vida que nunca vai embora,
  Eles falam comigo.

E o meu coração voa às alturas.
 
 

 'Julian's Showings' de Alan Oldfield. Da Austrália para a Capela de S. Gabriel, Comunidade de All Hallows, Ditchingham, Near Bungay, Suffolk. Fotografia, Irmã Pamela, C.A.H. Reproduzido com autorização da Comunidade de  All Hallows e de The Friends of Julian, Norwich.


A memória do meu povo
alcança
o começo de todas as coisas.



Uma rosa selvagem murmura encantos para o esquilo,
uma criança ama primeiro toda a gente.


Há um desejo no coração do meu povo de alcançar e agarrar o que é necessário para a nossa sobrevivência. Há um desejo entre os jovens da minha nação de assegurarem para si mesmos e para o seu povo, competências que lhes forneçam um sentimento de valor e objectivo. Eles serão os nossos novos guerreiros. O seu treino será muito mais demorado e mais exigente do que era nos velhos tempos. Os longos anos de estudo irão exigir mais determinação, a separação da casa e da família exigirá resistência. Mas eles virão ao de cima de mão estendida, não para receber protecção, mas para agarrar o lugar na sociedade que é por direito nossa.

Sou um chefe, mas o meu poder de fazer a guerra desapareceu e a única arma que me foi deixada é a fala. É apenas com língua e fala que posso lutar pela guerra do meu povo.

Ó, Grande Espírito! devolve-me a coragem dos antigos Chefes. Deixa-me lutar com o que me rodeia. Deixa que uma vez mais viva em harmonia com o meu ambiente. Deixa que aceite com humildade esta nova cultura e através dela me levante e continue. Como o antigo 'pássaro do trovão', erguer-me-ei de novo para fora do mar; hei-de arrebatar os instrumentos do sucesso do homem branco - a sua educação, as suas competências. Com estas novas ferramentas farei da minha raça a porção mais brilhante da vossa sociedade. Hei-de ver os nossos jovens valentes e os nossos chefes, sentados nas casas da lei e do governo, governando e sendo governados pelo conhecimento e pela liberdade da nossa grande terra.


Esta foi uma boa fala!


Tendo regressado da Austrália, encontrei lá populações Aborígenes com a mesma mensagem. Ver Recensão no Website Folhas de Oliveira sobre Rainbow Spirit Theology. Escutemos os Mais Velhos da Terra e o seu Tempo do Sonho em ordem ao nosso comum Futuro. JBH


Ir para o Website das Folhas de Oliveira

Voltar ao Website do Claustro

Ir para o Website do seu Escritório

Ir para o Website da sua Biblioteca

Ir para o Website de Brígida da Suécia

Ir para o Website de Julian de Norwich

Ir para o Website do Espelho dos Santos

Ir para o Website de Bíblia e as Mulheres

Ir para o Website do Index dos Amigos de Deus

'Catálogo da Terra Inteira' (Ofícios , Livros )

Recensão de Livros Encoraja-se a Apresentação

Bibliografia Encoraja-se a Apresentação
 
 
Websites de Julian de Norwich, Revelação e seus Contextos , Folhas de Oliveira , Julia Bolton Holloway , 1997/2017