Websites de Julian de Norwich, A Revelação de Amor e Seus Contextos e Escritório  © Julia Bolton Holloway, 1997/2017

DONA CATHERINE GASCOIGNE, O.S.B.

SOBRE O MODO DE ORAÇÃO DE PADRE AUGUSTINE BAKER

DA BIBLIOTECA MAZARINE, MS 1202, III
 

Dona Catherine Gascoigne, Abadessa de Cambrai, em 1652


Passado um século sobre a chegada de Padre Augustine Baker, em Julho de 1624, a Cambrai, para ser o director espiritual das Beneditinas Inglesas, foi escrito um manuscrito, em julho de 1724, na casa-filha de Paris, por uma monja Beneditina inglesa, anónima, referindo-se a ele como 'padre anónimo'.
A fundação em Cambrai de Nossa Senhora da Consolação viria a ser Stanbrook Abbey, em Worcestershire, e a fundação de Paris de Nossa Senhora da Boa Esperança, Colwich Abbey, em Staffordshire, ambas as comunidades tendo regressado a Inglaterra que haviam deixado para o exílio durante séculos, a seguir à Revolução Francesa.

Dona Gertrude More foi Madre Fundadora, 1623, de Nossa Senhora da Consolação, falecendo em 1633, Dona Catherine Gascoigne a sua Abadessa de 1629-1676. Este manuscrito que celebra os cem anos do método de oração do Padre Augustine Baker, suprimido por uma revolução ateia, perdido para as suas comunidades religiosas, merece hoje ser partilhado e usado por Stanbrook, por Colwich e por nós próprios, por religiosos e leigos, mulheres e homens.

Dona Gertrude More e Dona Catherine Gascoigne, ambas escreveram defesas dos ensinamentos acerca da oração, do Padre Agustine Baker, apresentando-as ao Capítulo Geral da Congregação Beneditina Inglesa em 1633, quando todos os seus manuscritos contemplativos foram suprimidos. Tão persuasivos foram os seus textos que o Capítulo da Congregação Beneditina Inglesa disse a Dona Catherine, 'Continuai corajosamente, escolhestes o melhor caminho: rogamos a Deus Todo Poderoso que vos alcance essa união que o vosso coração deseja'. Dona Catherine teria de opor resistência, ainda, em 1655, tal como Dom Augustine Baker lhes tinha previamente dito que aconteceria, contra a supressão, uma vez mais, de todos os seus manuscritos contemplativos. No seu leito de morte, em 1675, Dona Catherine Gascoigne apelou para o então Presidente da Congregação Inglesa, Dom Benedict Stapylton, para 'uma nova e muito ampla confirmação' destes escritos 'que são o maior tesouro pertencente a esta pobre comunidade'. Uma das causas deste conflito foi o facto de Padre Augustine Baker ter feito reviver a forma medieval de contemplação, através do estudo e da partilha destes textos do século catorze, tais como Revelação de Amor de Julian de Norwich,  Escada da Perfeição de Walter Hilton,  Remédios Contra as Tentações de William Flete, A Nuvem do Desconhecimento, e os trabalhos dos Friends of God Continentais, tais como John Tauler e Henry Suso. O que em vez disto estava na moda, eram os Exercícios Espirituais Jesuítas, através da imagem, embora estes, por sua vez,  sejam reflexo de práticas muito mais antigas, relacionadas com a veneração de Paula, em Belém e no Calvário, observada por Jerónimo e copiada por incontáveis peregrinos dos Lugares Santos. Estes escritos contemplativos, perderam-se com a Revolução Francesa, excepto dois pequenos manuscritos  - um deles a 'Epistle of Privat Counsell', do Autor de Nuvem -, que foram preservados nos bolsos das monjas enquanto estavam presas, de 1793 a 1795, parte deste tempo, juntamente com as monjas Carmelitas Francesas que seriam guilhotinadas na prisão de Compiègne. Estes manuscritos são agora um tesouro para as monjas da Abadia de Stanbrook, juntamente com o hábito das Carmelitas executadas.

Contudo, as monjas de Cambrai já tinham fundado uma casa-filha em Paris, em 1651 e tinham-se assegurado que todos os seus preciosos manuscritos - entre eles Revelação de Amor de Julian de Norwich fossem duplicados, muitos deles tendo sido escritos por Dona Barbara Constable, O.S.B., que permaneceu em Cambrai -, e que estes textos fossem levados pelas monjas que partiam para Paris, Dona Clementia Cary, a sua madre fundadora, Dona Bridget More, a sua prioresa. Nossa Senhora da Boa Esperança, de Paris, cautelosamente declarou na sua Constituição, tanto na versão em Francês (escrita por Dona Bridget More) como na versão em Inglês (escrita por Dona Clementia Cary), o desejo de continuar a herança espiritual de leitura e escrita, de Dom Augustine Baker, e, assim, tornando mais profundo o seu chamamento à vida religiosa Beneditina. Dom Serenus Cressy veio a ser o capelão das monjas de Paris e deu-se ao cuidado de que os escritos de Dona Gertrud More - 1657, 1689, incluindo a defesa dos ensinamentos de Augustine Baker por Gertrude More, realizados ao mesmo tempo que os de Catherine Gascoigne -, Sancta Sophia, Santa Sabedoria (1657) de Augustine Baker e Revelação de Amor de Julian de Norwich (1670), fossem todos impressos e publicados. Da publicação de Revelação de Amor de Julian de Norwich foi patrono Placid ou John Gascoigne de Lamspringe, irmão de Dona Catherine Gascoigne e igualmente um Beneditino, durante a vida desta(A. Allanson, Biography of the English Benedictines, Ampleforth Abbey, 1999, sobre Placid ou John Gascoigne, como Abade, 1651-1681), afirmando Serenus Cressy no prefácio 'Qualquer que seja o benefício que colherdes deste Livro, estais obrigados para com o Venerando Abade da nossa Nação, por cuja ordem e liberalidade ele é agora publicado e, em Consequência, devidamente Aprovado', a notem à margem identificando o benfeitor como  'The V.R.F.Jo.Guscoyn.L.Abbot of Lamb-spring'. Na verdade, é provável que Catherine Gascoigne ou a sua irmã Margaret, trouxessem o manuscrito de Julian para Cambrai, em primeiro lugar. A família Gascoigne reclamava como seu parente, Sir Thomas Gascoigne, Chanceler de Oxford e devoto da Abadia de Syon de Sta. Brígida. Os Lowes, ligados à Abadia de Syon desde o século quinze até ao século dezanove, tinham em seu poder a Revelação de Julian. Dona Margaret Gascoigne escreveu sobre a Revelação de Julian e Dona Bridget More copiou o seu texto. As More's e Gascoigne's teriam entrado logicamente para a Abadia de Syon, então no exílio em Lisboa, mas por causa de uma calúnia publicada por um falsário contra Syon, quebraram-se estes tão fortes laços Brigitinos, por parte destas duas famílias Inglesas, conduzindo-as até ao Mosteiro Beneditino de Cambrai.  Deste modo, o precioso legado dos manuscritos da Revelação de Amor de Julian, passou de claustros Brigitinos para claustros Beneditinos, sendo Brigitinos os textos de Westminter, Amherst e Paris, Paris sendo o texto preparado para a impressão Tudor/Elizabética pelas Brigitinas; os textos Gascoigne, Upholland, Sloane e Stowe, são Beneditinos, e igualmente a primeira edição impressa com êxito, de Serenus Cressy.

As Beneditinas Inglesas de Paris, tal como as Beneditinas Inglesas de Cambrai, foram presas durante a Revolução Francesa, mas depois de libertas, conseguiram negociar o regresso dos seus manuscritos e livros para Inglaterra, onde agora se encontram na Abadia de Colwich. Contudo, este manuscrito, escrito por uma das suas monjas, provavelmente encontrado na sua Cela, quando morreu como era costume com estas antologias contemplativas, acabou por ir parar à Biblioteca Mazarine de Paris.

Início de Biblioteca Mazarine 1202

Este manuscrito especial, datado de 23 de Julho de 1724 pela sua escritora, uma monja anónima no exílio, é sarcasticamente tratado no Catálogo da Biblioteca Mazarine de Paris, como sendo da autoria de um monge supersticioso. O manuscrito, na verdade, contém na primeira página uma gravura de um monge Beneditino, ajoelhado em oração, com raios de luz descendo sobre ele. O catalogador não deu conta de que a antologia de escritos contemplativos, fora escrita por uma mulher cuja humildade nos esconde a sua identidade, quase mesmo o seu sexo. Esta 'Antologia' inclui escritos do Padre Augustine Baker, do Amigo de Deus John Tauler, Conversio Morum, de Angela de Foligno, as Cartas de Direcção Espiritual, de Fénelon, Bispo de Cambrai, de Dona Gertrude More, com excertos da sua defesa do Padre Augustine Baker apresentadas ao Capítulo Geral da Congregação Beneditina Inglesa em 1633, e de Dona Catherine Gascoigne, mais uma vez o texto da sua defesa dos ensinamentos do Padre Augustine Baker sobre a oração, apresentadas no Capítulo de 1633, quando todos os manuscritos foram retirados de circulação.

Nesta mesma biblioteca se pode encontrar o Catálogo de todos os textos de Augustine Baker, de Cambrai, contendo também Revelação de Amor de Julian de Norwich com o nome de 'The Revelations of Sainte Julian', como um manuscrito que Cambrai possuía mas que não era da antologia de Dom Augustine Baker, e ainda um outro manuscrito, que se perdeu, 'Colections outt of Holy Mo: Juilan' [sic.]. Mais, este preciso manuscrito da 'Antologia' que sobreviveu, inclui uma parte escrita pela própria monja anónima, com quase- citações de Revelação de Julian. Este facto é uma afirmação de que a casa de Paris, um século depois da fundação de Cambrai, continuava a preservar, a viver e a celebrar a sua herança contemplativa.

É minha esperança que estas transcrições para a web, devolvam os textos deste importante manuscrito a essas monjas de clausura da Abadia de Stanbrook em Colwich. Ele é uma parte da sua preciosa herança perdida. E, igualmente, partilhá-las não apenas com o claustro, mas também com o mundo. Esse foi um dos principais objectivos dos seus escritos e cópias contemplativos, quando no exílio, o exercício do 'apostolado do escrivão' como contributo  para a Missão Inglesa dos monges Beneditinos junto do laicado da sua terra, então perdida.

____________________________________
 

Dame Catherine Gascoigne's
382  Coll: Lad: Cath: G. Prayer

My prayer I know not how to
express, but it seems to me to be a
longing and vehement desire of
the soull thirsting after the presence
of God, seeking and intending only
and wholy his will and pleasure
with as much purity of intention as
my imperfection will permit. it is
only exercised in the will, some
times in one maner, & sometimes
in another; according to the pres
ent disposition of the soull. now
humbling itself a 1000 times in the
presence of god, now praising, ble
sing and adoring him, at other times
confounded at my great ingratitude
not daring as it were to appear in

382 Antologia - Oração, 
de Dona Catherine Gascoigne

Não sei como dizer o que é a minha 
oração, mas parece-me ser uma  saudade e veemente desejo da  alma sedenta da presença de Deus, procurando e querendo apenas e inteiramente a sua vontade e satisfação, com toda a pureza de intenção que a minha imperfeição permitir. Exerce-se apenas na vontade, umas vezes duma maneira, outras vezes de outra, de acordo com as disposições de alma que se me deparam. Umas vezes humilhando-se 1000 vezes na presença de Deus, outras louvando, abençoando, adorando-o; outras vezes,
confundida com a minha grande ingratidão, não ousando, assim, ir à


 
 


 

D. Cath: Gas: Prayer    383

his presence, or to elevate myself
towards him by love, wm I have soe
much offended, sometimes I think it
is those we call acts or aspirations,
or rather an elevation of the will tow
ards god; proceeding from an interiour
motion, & enablement to continue the
same, yet not always with like ferv
our, for many times I find a great &
strong desire to please, and praise god
and yet am not able in any sort to doe
it, and that is my greif. but thus I see
there is no way but patience & resig-
nation, till it pleases him wo only
can enable me, when he pleases G
to doe better, for methinks the more
I strive or force my self the further

D. Cath. Gas. Oração   383

sua presença, ou elevar-me
a Ele pelo amor, Ele a quem tanto  ofendi; às vezes, penso tratar-se do que chamamos actos ou aspirações, ou antes uma elevação da vontade 
para Deus e que procede duma moção interior e capacidade de prosseguir, no entanto, nem sempre com o mesmo fervor, pois muitas vezes tenho um grande e forte desejo de agradar e louvar Deus e, no entanto, de modo algum sou capaz de o fazer e esse é o meu desgosto. Mas, assim vejo que não existe outro caminho que a paciência e resignação, até que queira Ele, que apenas me pode tornar capaz, quando for do seu agrado que eu faça melhor. Pois penso que quanto mais luto e me forço a mim 

381   D. Cath: Gas: Pr:

I am from it. for everything meth
-inks even thinking of good and holy
things doe rather breed images and
cause multiplicity in the soul, and
are distractions & impediments to
me in my prayer, and tendance to
wards god, so I must keep myself
in as much quietness as may be, wth
out using violence or stress, for I
find myself most drawn to that pray
er which tends to an unity, without
adhering to any perticular creature
or image; but seeking only for that
thing wch our lord said to be necesa
ry, and wch contains all things in it
self, according to that saying, Unum
sit mihi totum, id est Omnia in
Omnibus, hoc unum quaero, hoc

381    D. Cath. Gas. Oração 

mesma, mais me afasto. Porque tudo, penso eu, mesmo o pensar em Deus e em coisas santas, mais alimenta as imagens e é causa de multiplicidade na alma, e são para mim impedimentos e distracções na 
oração e desejo de Deus. Portanto, 
devo manter-me no maior sossego que puder, sem usar violência ou esforço, porque dou comigo muito atraída por este género de oração que tende para uma unidade, sem 
ser por meio de qualquer criatura 
ou imagem particular, mas procurando apenas aquilo que nosso Senhor disse ser necessário e que em si contém todas as coisas, de acordo com este dito: Um, para mim, seria Tudo, Tudo em Tudo, esse Um procuro, esse 

 
D. Cath: G: Pr:       382
 
unum desidero, propter unum
omnia, hoc si habuero contentus
ero, et nisi potitus fuero. semper
fluctus, quia multa me implere
non posunt, Quid hoc unum nescio
dicere, desiderare. me sentio, quo
nihill melius, nec majus est, sed me
cogitare, potest, non enim hoc un
um inter omnia, sed unum super
omnia est. Deus meus est, cui ad-
haerere, et inhaerere bonum mihi
est. This way of tending and aspiring
towards god, by love and affection doth
in no sort, hinder a soull, from
the due performance of her other
duties and Obligations, and externall
 
D. Cath. Gas. Oração 382
UM desejo, isso me contentaria ter e podia estar sem ter mais nada. Sempre mudando, como muitos me imploram, não posso. Não sei como dizer ou desejar, mas sinto que não há nada melhor, nada maior, mas tenho de pensar, se pode ser um entre tudo  ou um acima de tudo. É o meu Deus a quem me apegar e nele existir é o meu bem. Este modo de tender e aspirar Deus, pelo amor e afeição, de modo algum dificulta que a alma desempenhe devidamente os seus outros deveres e Obrigações 
380    D. Cath: Gas: Pr:

Obediences, much less dos it cause
her to neglect, misprise, or disesteem
of her superiours, their ordinations
and exactions, (as has bine feared)
for it doth cause her to observe and
perform them with more purity of
intention and more readily and more
chearfully, regarding God in the doing
of them, rather then the works that
she doth. and a soull that is caryed
in this affectuous inclination towards
god carefully observing the divine
call and motions, and abstracting
herself from impertinencies and all
things wch doe not belong to her to
doe or undergoo. she will be able to
make use of all things, in the retimes

380    D. Cath. Gas. Oração 

e Obediências exteriores,  muito menos, ser causa de negligência, ou falta de estima para com os seus Superiores, as suas ordens e exigências (como foi temido),  pois é causa de que elas sejam observadas e cumpridas com maior pureza de intenção, com mais prontidão e alegria, olhando mais a Deus ao faze-las, que às próprias
obras que faz. E a alma que é  conduzida nesta afectuosa inclinação para Deus, cumprindo 
cuidadosamente o chamamento divino e as suas moções e abstraindo-se de impertinências e
de todas as coisas que  não lhe pertence fazer ou viver, será capaz  de servir-se de todas as coisas a seu tempo,

 
D. Cath: Gas: pray:   381

times, to her advancement in spir
it. for nothing is required of us in
our state of life, but if we know how
to make right use of it, it will further
us in our way, and especially the divine
office, and service of the Quire, as be-
ing an exercise more imediatly belon
ging to the praise and worship of god.
so doe I most comonly find it a great
help and incitement therto, except
when the body is too much wearied or
otherwise indisposed and ths exercise
of love seems to be the best means to
purchase all vertues; for the soull tht
doth faithfully persue it with perse
verance, and faithfully coresponds
in the divine Grace, dos in some sort
 

 

D. Cath. Gas. Oração 382

para seu progresso espiritual. Porque nada nos é pedido no nosso estado de vida, mas se soubermos fazer bom uso dele, ele nos fará avançar no nosso caminho e, especialmente o Ofício Divino e o atendimento ao Coro, como exercício que mais de imediato pertence ao louvor e culto de Deus. Assim é que encontro aí, a maioria das vezes, grande ajuda e incentivo - excepto quando o corpo está demasiado cansado, ou de outro modo indisposto -, e este exercício de amor parece ser o melhor meio de comprar todas as virtudes. Porque a alma que fielmente o prosseguir com perseverança e fielmente corresponder com a Graça divina, de alguma maneira

388   D. Cath: Gas: pr:

(according to her progress in this di
vine love) exercise all vertues in
these times, for it is the way of Hum-
ility, of abnegation, of sincere obedi
-ence, of perfect submision, & subjec
-tion to god, and to every creature
for his love, and according to his
good will and pleasure, it causeth
and encreaseth in the soull, a holly
and humble confidence in god, which
does enoble her to pass thro all occuring
difficulties wth chearfulness and ala
crity, not that she shall not meett wth
difficulties (for the way of love is
the way of the cross and full of bitter
mortifications) but because she de
sires so much to please her beloved
that all things wtsoever tho never
 

388    D. Cath. Gas. Oração 

(segundo o seu progresso neste amor divino) exercita todas as virtudes, porque é o caminho da Humildade, da abnegação, da sincera obediência, da perfeita submissão e sujeição a Deus e toda a criatura por amor de Deus e segundo o seu bom prazer e vontade, causa e aumenta na alma, uma santa e humilde confiança em Deus, que assim a torna capaz de atravessar todas as dificuldades que acontecerem com boa disposição e alegria, não que não se depare com elas (porque o caminho do amor é o caminho da cruz e cheio de amargas mortificações), mas porque tanto é o seu desejo de agradar a quem ama, que tudo, o que quer que seja, embora nunca tão
 

D. Cath: Gas: Pr:    389

so greivous to nature, become easy
and tolerable to her, wch may draw
more near unto him, and wtsoever
she finds to be a lett or hinderance
in her way of tendance towards him,
as fears, scruples, etc: she doth
pass them over and transcend them by
love, seeking and endeavouring always
to unite herself to god, according to
her maner, and to adher perseverantly
unto him, and although it may per
haps be esteemed a great presumption
for a soull tht has made but litle prog
ress in a spirituall course, & is full
of deffects, and imperfections, to pret
end so high an exercise, as is that of
love and aspiring towards god; yet

D. Cath. Gas. Oração 389

contrário à natureza, torna-se-lhe fácil e tolerável porque pode conduzi-la para mais perto dele. E tudo aquilo que pense possa ser um mal ou impedimento no seu caminho para Ele, tais como medos, escrúpulos, etc., passa-lhes por cima e transcende-os pelo amor, procurando e tentando sempre unir-se a Deus, segundo o seu modo. E em aderir com perseverança a Ele e, ainda que talvez possa ser tido como grande presunção de uma alma que tenha feito tão pouco progresso no caminho espiritual e esteja cheia de defeitos e imperfeições, pretender exercício tão elevado como é o de amar e aspirara por Deus, no entanto,
 

390   D. Cath: Gas: Pr:

to me it seems to be the best way
to get true humility, nay I canot see
how tis posible for a soull by anny
other means to avoid that most detes
table sin of pride, wch so secretly
creeps in, & intrudes itself into all
our best actions, & Holiest exercises.
but only by adhesion to god, which
excludes all pride, and all maner of
temptaion of what kind soever,
for the soull tht seeks and pretends
nothing but god, and tends towards
him in the best maner she can by sim
plicity, adhering to noe Image or
created thing, but only to god him
self there is no place for pride, &
therfore noe exercise or maner of
 

 

390    D. Cath. Gas. Oração 

a mim parece-me ser o melhor caminho de obter a verdadeira humildade. Nem posso ver como é possível a uma alma outros meios de evitar o detestável pecado do orgulho que tão secretamente se insinua e introduz nas nossas melhores acções e nos nossos mais Santos exercícios. Mas só aderindo a Deus, o que exclui todo o orgulho e todo o tipo de tentação, não há lugar para o orgulho na alma que procura e não quer nada senão Deus, e caminha para Ele da melhor maneira que pode pela simplicidade, não se apegando a Imagens ou coisa criada mas apenas ao próprio Deus. Por isso, não há exercício ou forma de

 

D: Cath Gas: Pr:    391

prayer so secure for the soull, and the
less subject to the Ilusions & deceits of
the Will, then this exercise of the will
which is both plain & easie for those soulls
that have an aptness and call unto it, is
faithfully prosecuting, wth the grace of
god concuring, it leads the soull through
all things wtsoever, it is the way of humi
lity, and confidence. for the soull having
continuall recourse to god by prayer is
therby enlightned to see her own nothing
and poverty, and how that she is not able
to effect any thing that is good, without
the divine assistance, butt that she must
wholly, & totally depend of God, and this
dependance, wch the soull sees herself con-
tinually to have of god; methinks it is
able to humble her even to dust, besides
 
 

D. Cath. Gas. Oração 391
 

oração tão segura para a alma e menos matéria para Ilusões ou enganos da Vontade que este exercício da vontade que é ao mesmo tempo claro e fácil para as almas que têm uma aptidão e são chamadas a ele. Prosseguido fielmente, com a ajuda da graça de Deus. conduz a alma através de todas as coisas. É o caminho da humildade e confiança. Porque tendo a alma contínuo recurso a Deus pela oração, é por esse modo iluminada para ver o seu nada e pobreza, e como é incapaz de qualquer coisa de bom sem a divina assistência. E vê que tem de total e inteiramente depender de Deus e que esta dependência que se vê a ter continuamente de Deus, penso que é capaz de a tornar humilde como o pó, além
 

392   D. Cath: Gas: Pr:


the sins and imperfections to which
she is subject and often falls into. and
indeed god has many secret ways to
humble a soull, and out of his care doth
soe provide that matter of humiliation
shall never be wanting to her, if she will
but accordingly endeavour to make use
therof. and the wonderfull vouchsafe
ment of God All: is such to a soull tht
seeks and aymes at nothing else but to
be faithfull to him, tht it causes & increa
-ses a great confidence in his goodness, and
his continuall care and providence to
wards her; so that for her part she
seems to have nothing else in the world
to doe, but only to endeavour to comply
with his will, and pleasure. tending
and aspiring towards him by prayer

 

392    D. Cath. Gas. Oração 
 

dos pecados e imperfeições a que está sujeita e em que muitas vezes cai. E, na verdade, Deus tem muitos modos secretos de tornar uma alma humilde e, pelo seu cuidado, assim providencia a que nunca lhe falte matéria da humilhação segundo ela procure fazer uso dela. E, a maravilhosa condescendência de Deus Todo Poderoso é tal para com a alma que procura e deseja nada senão ser-lhe fiel, que dá origem e faz crescer uma grande confiança na sua bondade e no seu contínuo cuidado e providência para com ela. De tal modo que, por parte dela parece não ter nada mais que fazer no mundo senão tentar cumprir a sua vontade e agrado, caminhando e aspirando por Ele, pela oração

 

D. Cath: Gasc: Pr:     393
 
as he shall enable her for it by his grace,
without taking care or solicitude for
any thing that may concern her lea
ving herself and all things wholly to his
sweet disposition, so that her only care
is to please him, and he will sufficiently
provide for her, and for all things that may
concern her good, to wm she hath totally
left herself and all other things, after this
maner to the Divine providence; she
doth not neglect that to wch she is obli-
-ged according to her dutty and charge
for god himself takes care of all, & guides
all, and nothing is lost, but much beter
performed by leaving all to him, as thau
lerus saith In deo nihill negligetur.
and the soull proceeding in this maner
with as much simplicity as she can, seeking
D. Cath. Gas. Oração 393
 

de que Ele a torna capaz por sua graça, sem cuidado ou solicitude relativas à sua vida pessoal mas inteiramente dedicada à sua doce disposição, de tal modo que a sua única preocupação consiste em agradar-lhe. E Ele providenciará para ela o bastante, em todas as coisas relativas ao seu bem, Ele a quem ela se entregou e entregou tudo o mais, segundo este modo, à Divina providência. Não desleixa aquilo a que está obrigada segundo o seu dever e tarefa, mas o próprio Deus toma cuidado de tudo e tudo guia, e nada se perde, mas tudo é muito melhor desempenhado ao entregar-lhe tudo a Ele, como disse Tauler Em Deus nada é esquecido. E a alma, avançando deste modo com a maior simplicidade que puder, procurando 
 
 

394    D. Cath: Gas: Pr:


after nothing but God, her confidence
dailly increases as holly scripture says,
Qui ambulat simpliciter, ambulat
confidenter. and she walks one secure
-ly & quickly under the divine protection,
all things cooperating to her good, for
wtsoever doth hapen to her by gods per
-mision; dos serve to breed + still in her
[margin x & Cause,]
true and perfect resignation & conf
ormity to the Divine will, wherby she
comes to have & enjoy betwixt God and
her soull, true internall, and solid peace,
even amidst all crosses and opositions, &
variations, that we are subject unto, in
this changeable and miserable life of ours,
which peace, & security noe creature
can give unto a soull but only god himself
and therefore happy are those soulls tht

 

394    D. Cath. Gas. Oração
 

nada senão a Deus, a sua confiança cresce dia a dia, como diz a Sagrada Escritura: Quem caminha na simplicidade, caminha com confiança. E ela caminha com segurança e depressa sob a divina protecção, tudo concorrendo para seu bem, porque tudo quanto lhe acontece com a permissão de Deus, serve para mais alimentar [à margem, e Causar] nela a verdadeira e perfeita sujeição e conformidade com a vontade Divina. E assim, chega a ter e a fruir entre Deus e a sua alma, duma verdadeira paz interior, mesmo no seio de todas as cruzes e oposições, e variações a que somos sujeitos nesta movediça e miserável vida que é a nossa, paz esta e segurança que nenhuma criatura pode dar a uma alma senão o próprio Deus e, por isso, felizes aquelas almas que
 
 

 

D. Cath: Gas: Pr:     395
 
that faithfully & perseverently adher
to him, with an internall regard of his
will in all things, and this plain & simple
exercise of the will, taught us by father
Anonimus tends to noe other thing, (soe, far
(as I understand it) thn ths to bring the soull
to a total subjection to god, and to others
for god.
Indeed I am not able to express wt I doe
in part conceive of the excelency & worth-
iness, of this most happy exercise, of tend-
ing aspiring towards god by love, how
he is. I have here endeavoured as well
as I could briefly and sincerely to let
my superiours know by this, how I und-
erstand and desire to practis the same.
humbly submiting myself, & all my ways
and practises, in this or wt else soever to
D. Cath. Gas. Oração 395
fiel e perseverantemente se apegam a Ele com uma consideração interior da sua vontade em tudo. E este claro e simples exercício da vontade, que nos foi ensinado por Padre Anónimo não pretende senão isto (tanto quanto eu o entendo), que é trazer a alma a uma total sujeição a Deus e aos outros por causa de Deus.
Na verdade, não sou capaz de exprimir aquilo em que consiste e que em parte concebo, sobre a excelência e valor deste felicíssimo exercício, de atender e aspirar por Deus pelo amor. Aqui tentei fazê-lo, tão bem quanto podia, brevemente e com sinceridade a fim de que os meus superiores percebam por isto, de que modo entendo e desejo praticar o mesmo. Submetendo-me humildemente, e todos os meus modos e práticas, nisto e em tudo o mais, a
396    D. Cath: Gas: Prayer


be corected by them, purposing & promi
-sing by Gods Grace always to stand to
their judgment and determination, in
all things. and if your Paternities
do think it good & please to aprove it,
I do then most humbly beseech your leave
and blesing, with the assistance of yr
holly prayers, that I may prosecute it
with new fervour & diligence, for noth-
-ing does so much trouble me as my slack
-ness & negligence in it hitherto.
                ~  ~  ~

            . . .

 

396    D. Cath. Gas. Oração
 

ser por eles corrigida, com o propósito e promessa de, pela Graça de Deus, sempre me ater ao seu juízo e determinação em todas as coisas. E se Vossas Paternidades estimarem que isto é bom e vos agradar aprová-lo, então eu, muito humildemente rogo o vosso consentimento e benção, com a assistência das vossas santas orações, para que possa prossegui-lo com renovado fervor e diligência, porque nada me perturba tanto quanto a preguiça e negligência com que o tenho seguido.
        ~  ~  ~

    . . .

 

to St Arsenius my Dear Patron

God, sent his Angell down, to let thee know
his blesed will wch so by thee, was sought
praying to him to teach thee how to goe,
that way by wch to him thou mightst be brought.
The Angell bid thee fly & silent be,
and suffer nothing to disquiet thee.
Pray that I may fly to God, & hold my peace
and being from all noyse & tumults free

A St. Arsénio,
meu Amado Patrono
Deus mandou o seu Anjo cá baixo, para vos dar a conhecer a sua bendita vontade que por vós era procurada, rogando-lhe que vos ensinasse como caminhar de modo a ser levada ao seu encontro.
O Anjo ordenou-vos: fugi e permanecei no silêncio e não permitais que nada vos perturbe. 
Regai para que eu possa fugir para Deus e guardar a paz e o ser, livres de todo o tumulto e ruído,
Colections
labour to make all Cogitations cease.
that I may here alone. in quiet be
and living thus on earth abstractedly
my mind may ever placed be one high.
and let my eyes to God be ever turn'd
regarding nothing, that is here below
aspiring daily to be wholly burn'd
with this inflamed love and nothing know
but him allone; whoom I desire to be
my portion, part & all in all to me
                  ~ ~ ~
often hath it repented me to have spo-
-ken, never to have bine silent. said
St Arsenius
           ~ ~ ~  Finis
Laus Deo & Maria. Jully 23 1724
Antologia
trabalharem para que cessem todos os Pensamentos. Que aqui, em solidão, em quietude esteja e assim viva na terra abstraída e que a minha mente sempre possa estar nas alturas. E que os meus olhos para Deus sempre se voltem, olhando a nada que aqui está em baixo. Aspirando todos os dias a ser inteiramente consumida por este inflamado amor e nada saber senão apenas ele a quem desejo que em mim seja minha porção, minha parte e tudo em tudo.
            ~ ~ ~ 
Muitas vezes me arrependi de ter falado, nunca de ter ficado calado, disse St Arsénio
      ~ ~ ~ Fim
Deus e Maria sejam louvados. 
23 de Julho, 1724


Referências

Dona Gertrude More, descendente de Thomas More e fundadora da Abadia Beneditina Inglesa de Nossa Senhora da Consolação em Cambrai (hoje Abadia de Stanbrook), a casa mãe da Abadia de Nossa Senhora da Boa Esperança em Paris (hoje Abadia de Santa Maria, Colwich), escreveu igualmente '
I will now take thy advice given me to fly, be silent, and quiet, and I will hourly come to learn the song of love and praise of Thee' ('Tomarei agora o conselho que me destes, de fugir e permanecer em silêncio e quietude, e hora a hora aprenderei a canção do Vosso amor e louvor'), Dom Benedict Weld-Blundell, anotando estas palavras na sua edição de The Writings of Dame Gertrude More, 1910, p. 56, como 'palavras ditas do céu a St. Arsénio'.

A maior parte da informação acima dada: As Beneditinas de Stanbrook,  'Dame Catherine Gascoigne, 1600-1676', In a Great Tradition (London: John Murray, 1956), pp. 5-29.

IR PARA ANTOLOGIA I
IR PARA ANTOLOGIA III

Voltar ao Website do Claustro

Ir para o Website do seu Escritório

Ir para o Website da sua Biblioteca

Ir para o Website de Santa Brígida da Suécia

Ir para o Website de Julian de Norwich

Ir para o Website Espelho dos Santos

Ir para o Website Bíblia e as Mulheres

Ir para o Website das Folhas de Oliveira

Ir para o Website Anglo-Italiano

Ir Para o Website do Index dos Amigos de Deus

Ir para o Index por Nomes Póprios dos Amigos de Deus

'Catálogo da Terra Inteira' (Ofícios, Livros)

Recensões de Livros Encoraja-se a Apresentação

Bibliografia Encoraja-se a Apresentação

 
 
 

Return to Umilta.Net Index Page (http://www.umilta.net)
Go to Florin.Ms Index Page (http://www.florin.ms)
Book and CD Sales Catalogue (http://www.umilta.net/portfolio.html)
Contact Julia Bolton Holloway

Latest Book:

Beata Umilta: Sguardo sulla Santa Umiltà: Contemplating on Holy Humility. In Italian and English. Julia Bolton Holloway. Trans. Fabrizio Vanni. Florence: Editoriale gli Arcipressi, 2004. Colour Plates of Pietro Lorenzetti's Altarpiece Panels. Pp. 32. Purchase from Julia Bolton Holloway. 10 euro/$10.

 


Julian of Norwich, Showing of Love, translation in paperback (ISBN: 0-8146-5169-0), xxxiv+ 133 pp, three colour printing, 2003. Order, in America, The Liturgical Press, St John's Abbey, $19.95; in England, etc., Darton, Longman and Todd, available at bookshops, £9.95.

To see inside this book, where God's words are in red, Julian's in black, her editor's in grey, click here.
 


Julian of Norwich, Showing of Love , definitive edition and translation, Firenze: SISMEL, 2001, available from SISMEL or from Julia Bolton Holloway.

To see an example of a page inside with parallel text in Middle English and Modern English, variants and explanatory notes, click here.


 

To order Julian of Norwich, Showing of Love: Extant Texts and Translation, ed. Sister Anna Maria Reynolds, C.P. and Julia Bolton Holloway (ISBN  88-8450-095-8), 848 pages, 18 full colour plates of the manuscripts, from University of Florence, SISMEL Edizioni del Galluzzo, 2001, 191 euro, e-mail
order@sismel.itaor Julia Bolton Holloway
 

Julian of Norwich, Showing of Love, Westminster Text, translated into Modern English, set in William Morris typefont, hand bound with marbled paper end papers within vellum covers, in limited, signed edition. A similar version available in Italian translation. Can be accompanied by CD of a reading of the text. To order, click here.

To view sample copies, actual size, click here.


 

Saint Bride and Her Book: Birgitta of Sweden's Revelations. Translated from Latin and Middle English with Introduction, Notes and Interpretative Essay . Library of Medieval Women. Series Editor, Jane Chance. Boydell and Brewer , 2000. Revised, republished, third edition. xvi + 151 pp. ISBN 0-85991-589-1

Two books on Dante Alighieri:

The Pilgrim and the Book: A Study of Dante, Langland and Chaucer (ISBN0-8204-2090-5); illustrated, indexed, third edition, available from Julia Bolton Holloway, Julia Bolton Holloway. $25, 25 euro.

Twice-Told Tales: Brunetto Latino and Dante Alighieri (ISBN 0-8204-1954-0), illustrated, indexed, available from Julia Bolton Holloway, Julia Bolton Holloway. $25, 25 euro.


 

Julian Library CD, 1996/2003, available for general readers, contemplatives, scholars, and libraries for off-line reading, computer browsing (includes Umilta Website);

Julian Library Portfolio, booklets of essays in a hand-bound portfolio, either in Florentine printed paper, or our marbled paper, as shown below;

The City and the Book I, II, III, Florence, International Congresses, Proceedings, CD;

English Cemetery, Florence, CD;


 

Latest CD:

Florence in Sepia
 
 

FIRENZE/ FLORENCE
 
 


 
 

IN SEPIA



Concentrating on Italy's Florence, this CD contains e-books, such as Augustus J.C. Hare's Florence, Susan and Joanna Horner's Walks in Florence, an album of nineteenth-century photographs of Italy purchased by the Mother Foundress of the Community of the Holy Family, illustrative materials on Elizabeth Barrett Browning, etc. It is a useful guide for scholars of medieval, Renaissance and Victorian Florence and Italy and for tourists to modern Florence and Italy.
 

© Julia Bolton Holloway , Biblioteca e Bottega Fioretta Mazzei, 2008.
 

To order rocking cradles, hand-wrought-iron lilied-cross shelf joins, marbled paper, etc., from Julia Bolton Holloway, illustrated and described in How to build cradles and libraries, and handmade colourful rosaries from Nairobi, Africa, described in Portfolio.
 

Biblioteca e Bottega Fioretta Mazzei Marbled Papers

Donations for above CDs and Portfolios benefit the Biblioteca e Bottega Fioretta Mazzei (of which you become a member through the gift to the library of a book), and the historic "English Cemetery ", Piazzale Donatello 38, I-50132 Florence, Italy


Cloister Website